Total de visualizações de página

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Atenção Alunos:

Às aulas irão retornar no dia 15/07/2014
Até mais e Boas Férias!!!


segunda-feira, 19 de maio de 2014

Alunos do 3° Série E.M 
Neste link, contém videoaulas para auxiliarem no vestibular, acessem :









sexta-feira, 16 de maio de 2014

Links Prof°Viviane Educação Fisica

 * Fotógrafa Lanche Mc Donald's http://www.youtube.com/watch?v=UT_XDNw8nvs

 * Americano faz experiência se alimentando apenas de Fast Food http://www.youtube.com/watch?
 

 

* Experimento com lanches do Mc Donald's http://www.youtube.com/watch?v=OMeMGiocL4o
14/05/2012
 às 19:53 \ Tema Livre

"Happy Meal Project": as batatas fritas e o hambúrguer fotografados no primeiro dia
Oito anos depois do documentário Super Size Me, que obrigou a rede de fast food McDonald’s a reformular seu cardápio no mundo inteiro, incluir alimentos saudáveis nos famosos combos, como frutas e saladas, e investir pesadamente numa campanha para melhorar sua imagem de disseminadora de alimentação prejudicial à saúde — o que o documentário sugeria fortemente –, a cadeia internacional está diante de um novo desafio.
Trata-se do Happy Meal Project, da artista plástica e fotógrafa novaiorquina Sally Davies que, em 2010 resolveu registrar em fotografias diárias o processo de decomposição de um McLanche Feliz, formado por um hambúrguer e uma porção de batatas fritas. O lanche não está em geladeira nem nada parecido: fica no ambiente natural de uma casa.
Com o passar do tempo, a fotógrafa ficou estupefata: o sanduíche e as batatinhas continuavam com a mesma aparência, não mostrando sinais de alteração. Como se fossem de borracha ou de isopor.
No dia 10 de abril, o projeto completou 2 anos e — pasmem! — estava tudo igualzinho ao primeiro dia. As fotos, todas as 756 delas, estão expostas em seu site, e em seu espaço no flickr, e mostram que a única variação se deu no pão do hambúrguer, que se partiu em alguns pedaços devido ao ressecamento.
“Eu demoro a acreditar que se passaram dois anos desde o dia em que o comprei”, disse a fotógrafa dà agência espanhola de notícias EFE. “Eu pareço dois anos mais velha, mas para o hambúrguer o tempo não passa”.


As batatinhas e o hambúrguer, 756 dias depois: tudo o que aconteceu foi que o pão secou e se partiu em alguns pedaços; a carne do hambúrguer encolheu um pouco e endureceu, e as batatas fritas têm quase o mesmo aspecto
“Continuarei fotografando o hambúrguer até que ele se desintegre, o que pode custar o resto da minha vida natural”, explicou a artista, que constatou como nos 751 dias em que se dedica a fotografar esse exemplo de fast-food muito pouco mudou nos componentes do lanche infantil.
Davies acha que o lanche que comprou há mais de dois anos sofreu algum tipo de desidratação mas não iniciou nenhum processo de putrefação. E se pergunta que qualidades nutricionais que pode ter “um alimento que não apodrece nem se corrompe com a passagem do tempo”.

A verdade sobre o cheddar
O legítimo queijo de origem inglesa é bem diferente daquelas fatias alaranjadas derretidas nos sanduíches do tipo fast-food
Marcela Besson, iG São Paulo | 28/05/2010 17:41:45
Cheddar de verdade: tempo de maturação do queijo pode chegar a dois anos
Sabe aquele queijo macio, com uma inconfundível cor alaranjada e que desde sempre nos ensinaram a chamar de cheddar? Ele aparece com freqüência em sanduíches nas redes de fast-food, cortado em fatias quadradas e fundidas sobre o hambúrguer. 
Pois da próxima vez em que abocanhar um desses, talvez o leitor pense o seguinte: é provável que não seja cheddar de verdade. Segundo o especialista Jair Jorge Leandro, o que a maioria das lanchonetes vende como cheddar é uma massa processada, preparada com queijos variados, água e leite em pó, mais emulsificantes, aroma e corante artificiais. “Teoricamente, isso nem poderia ser chamado de queijo”, explica Leandro, pesquisador da área há mais de 25 anos e autor do livro Queijos: do Campo à Mesa(Melhoramentos, 2008). 
Ok, muita gente vai dizer que o cheddar “ilegítimo” é gostoso, se desmancha na boca e, provavelmente, não será dispensado por causa de um “erro” da indústria. Mas é bom saber que o cheddar original – nascido na Inglaterra e mais tarde difundido em outros países de língua inglesa – tem sabor bem diferente da versão processada. Ele é suave e pode ter notas aromáticas de nozes, maçã e café torrado. 
A aparência também é outra. “A coloração do cheddar legítimo varia naturalmente, do marfim ao laranja, de acordo com a raça do animal que produz o leite, a região onde ele pasta e o tempo de maturação das peças de queijo”, conta Leandro. É o que chamamos de terroir, termo bastante usado no vocabulário dos vinhos e que corresponde a uma combinação de detalhes específicos de solo e condições climáticas de cada região. 
O tom laranja do cheddar, por exemplo, vem do leite ordenhado na primavera e no verão, quando a quantidade de caroteno em sua composição é maior. “Há uma tendência em achar que os cheddars com mais pigmento são melhores, por isso a indústria acrescenta corante artificial nas massas de queijo processado”, esclarece o especialista. Muitas vezes isso também ocorre com o cheddar natural produzido em outras épocas do ano. Ele recebe corante de urucum para ganhar a mesma cor dos exemplares produzidos nas estações mais quentes e aumentar, assim, o seu valor no mercado. 
Tradição britânica, fama americana
Historicamente, os ingleses nunca foram conhecidos por seus dotes gastronômicos. Mas foram eles que deram origem ao cheddar. O queijo tem esse nome por causa do lugar em que nasceu – Cheddar, na região de Somerset –, a pelo menos onze séculos. Acredita-se que tenha sido criado ao acaso, na tentativa de recuperar alguma massa coalhada empedrada. 
Ao longo do tempo, o sucesso comercial deste queijo motivou inúmeras versões por toda a Inglaterra e também em outros países de língua inglesa, como Canadá, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul. Mas, se a criação é um mérito britânico, a popularização ficou a cargo dos Estados Unidos, no topo da lista em volume de produção. Lá, eles são feitos com leite de vaca pasteurizado, principalmente nos estados de Wisconsin e Vermont. 
Do outro lado do Atlântico, os queijos que continuam sendo produzidos à moda antiga na Inglaterra, com leite cru, recebem a etiqueta especial "Farmhouse English Cheese”. Não chega a ser uma denominação de origem, mas é garantia de cheddar legítimo, prensado em formato cilíndrico, alto e com peso variando entre 28 e 32 quilos.

Divulgação
Blocos de coalhada são repetidamente empilhados para que percam a umidade
Cheddarização
O termo em português é uma tradução grosseira para cheddaring, nome que se dá a uma das etapas do processo de produção deste queijo. Nela, os blocos retangulares de coalhada são cortados e repetidamente empilhados, manualmente, para que percam o soro (umidade) com o próprio peso. O resultado é uma massa marmorizada, quase em camadas, que varia de macia a dura dependendo do tempo de maturação. 
mild é suave porque é vendido jovem – leva, no máximo, vinte semanas para ficar pronto. Já omature possui aromas mais complexos, sabor pungente e textura densa porque gasta o dobro de tempo para chegar às prateleiras. Há ainda as versões extras ou vintage, que alcançam até dois anos de maturação e por isso ficam mais duros, quebradiços e levemente ácidos. Segundo Jair Jorge Leandro, todas essas versões fazem bom papel em tábuas de frios, onde devem ser dispostas antes dos queijos azuis (como roquefort), mas depois dos queijos de mofo branco (como brie e camembert). “Também é um ótimo queijo para fechar refeições à base de aves como o pato”, completa. Para acompanhar, vale investir em taças de tintos da Borgonha ou de vinho do Porto Tawny. 

Onde comprar o verdadeiro cheddar
No mercado, boa parte do cheddar disponível é de origem americana. No entanto, algumas versões inglesas do queijo, de maturação média, são trazidas pela importadora Calimp , em São Paulo, e distribuídas para grandes redes de supermercado, além de empórios finos e delicatessens. O preço varia de 50 a 90 reais o quilo.

segunda-feira, 12 de maio de 2014


ATENÇÃO ALUNOS DO 3° SÉRIE E.M



O CÓDIGO DA ESCOLA   SOLICITADO NA INSCRIÇÃO DO ENEM É :
  
35012051


BOA SORTE !!!